Entrevista com Tolga Unan, CEO e fundador da Unan Hospitality & Unan Trading, Maldivas

Também passei 13 anos trabalhando na China como gerente geral de marcas como Hilton e Intercontinental.

Como sua jornada pessoal o levou até onde você está hoje?

Meu pai era gerente de hotel em Istambul, onde experimentei pela primeira vez o trabalho em hotelaria. Na década de 1980, começaram a abrir hotéis na costa mediterrânica da Turquia e surgiram boas oportunidades para os hoteleiros de Istambul os explorarem, o que se tornou a minha primeira experiência com o conceito de resort. Mais tarde, estudei hotelaria nos EUA e fiz um estágio na Disney. Também passei 13 anos trabalhando na China como gerente geral de marcas como Hilton e Intercontinental.

Depois disso, fui diretor administrativo de um eco-resort chamado Naked Retreats, com sede em Xangai; um projeto muito sofisticado e muito sustentável com o qual aprendi muito. Depois vim para as Maldivas com a minha mulher e duas filhas, onde fui apresentado ao projeto Crossroads.

Como você descreveria a ideia do turismo multi-ilhas e o que ele tem a oferecer aos turistas dos EUA?

Fui o primeiro funcionário da Crossroads e fui atraído por isso porque era um conceito muito inovador. O que tornou o Crossroads único naquela época foi o fato de reunir culturas e ser um dos únicos locais nas Maldivas onde você poderia vivenciar a cultura local ombro a ombro com os hóspedes das Maldivas.

A maioria das ilhas aqui sempre foram segregadas, com turistas e a população local habitando ilhas diferentes. As Maldivas são conhecidas pelo conceito de uma ilha, um resort, mas o governo quer diversificar esta oferta para oferecer mais opções.

Recentemente, você iniciou a Unan Hospitality para ajudar outras operadoras de hotéis e resorts. Quais são os seus serviços e como as empresas das Maldivas podem beneficiar dos seus serviços?

A experiência que adquiri ao longo dos meus cinco anos na Crossroads permitiu-me abrir a Unan Hospitality. Quando iniciamos a Crossroads, gerimos uma variedade de marcas e unidades de negócios separadas e paralelas, desde hotéis a restaurantes, marinas e pontos de venda. No entanto, fazer com que tudo isso funcionasse em uníssono sob o mesmo guarda-chuva exigiu muito trabalho e organização, o que impactou os resultados e a lucratividade.

Gerenciar algo com tantas peças móveis e, ao mesmo tempo, extrair dele as devidas economias de escala, exigia uma nova maneira de pensar. Daí a criação da Unan Hospitality; utilizar um modelo integrado para reduzir custos, obter economias de escala e fornecer um serviço melhor e mais integrado. Em vez de empresas e marcas rivais competirem entre si, podem agora unir-se e complementar as ofertas umas das outras para benefício de todos, nomeadamente dos nossos clientes. Esta é a abordagem que a Unan Hospitality foi criada para promover.

Que iniciativas você está organizando para atender às novas tendências do turismo e ficar à frente da concorrência?

Existem agora muitos novos conceitos de turismo surgindo das Maldivas, como o aluguel de uma ilha inteira e independente que pode ser personalizada para diferentes grupos ou finalidades, inclusive para o segmento MICE.

As ilhas locais também oferecem pousadas fantásticas e existem algumas opções requintadas para viajantes com orçamento limitado. Este é um segmento que cresce na casa dos dois dígitos a cada ano, criando muitas opções para quem busca férias mais baratas. Esta abertura de espírito tem sido uma estratégia oficial bem-sucedida há já vários anos. As Maldivas têm hoje uma mentalidade muito adaptável, que está a incorporar a inovação no futuro da indústria do turismo.

Como cônsul honorário do Brasil, como você está ajudando as empresas brasileiras a exportar para as Maldivas e como os operadores locais estão se beneficiando do acordo?

Durante a Pandemia de Covid, um dos únicos países que não teve restrições de viagens foi o Brasil. A maioria dos nossos outros mercados estava em baixa e eu tinha conexões com o Brasil por causa da minha esposa, então tentamos entrar no mercado brasileiro. Tivemos as estratégias certas e um pouco de sorte, e a ideia valeu a pena. Mesmo depois que a pandemia diminuiu e as restrições foram afrouxadas, o Brasil continuou a ser um grande mercado para as Maldivas. Está agora entre os nossos quatro principais mercados, enquanto antes nem sequer estava entre os 20 primeiros.

Os brasileiros tendem a ser animados e extrovertidos, por isso criam um bom ambiente no hotel. Me ofereceram o trabalho de divulgar as Maldivas como destino no Brasil e hoje represento alguns dos principais hotéis das Maldivas e do Brasil também. Também tenho uma agência de viagens boutique que faz vendas diretas.

No entanto, surgiu um novo leque de oportunidades quando começamos a pensar na importação de alimentos e outros produtos brasileiros para as Maldivas. As pessoas e as empresas daqui têm sofrido com o aumento dos preços dos alimentos, o que também aumenta muito os custos operacionais dos hotéis. Descobrimos que os produtores brasileiros estavam ansiosos para exportar para as Maldivas e apresentar seus produtos para novos grupos demográficos internacionais. Por isso, estabelecemos a Unan Trading para oferecer propostas às marcas brasileiras e ajudá-las a fazer negócios nas Maldivas. Recebemos algumas ofertas muito boas e começamos a trabalhar juntos, e agora todos nas Maldivas, moradores, turistas e proprietários de hotéis, se beneficiam de produtos brasileiros de boa qualidade e acessíveis. Ao mesmo tempo, os produtores brasileiros têm um novo e pequeno mercado de exportação, mas também uma ótima maneira de mostrar seus produtos, que pode ser usado como um trampolim para mercados maiores.

Sendo o quarto maior país do mundo e um dos maiores produtores de carne, laticínios e produtos agrícolas, o Brasil tem muito a oferecer em algum lugar como as Maldivas. Não somos uma empresa comercial grande e estabelecida, mas temos a confiança dos hoteleiros locais porque os compreendemos e conhecemos os seus desafios. Minha posição como cônsul honorário me permite manter contato oficial com autoridades e empresas brasileiras que compartilham minha visão de como os dois países podem trabalhar juntos.

Que oportunidades existem nas Maldivas para as empresas e investidores americanos e onde estão as perspectivas de crescimento mais importantes?

Existem grandes oportunidades para as marcas norte-americanas se mudarem para as Maldivas e usarem o país como cenário para apresentarem os seus produtos. Existem muitas outras belas nações insulares, mas a abordagem de uma ilha, um resort significa que os produtores podem ter um público cativo de um novo mercado simplesmente tornando-se o único fornecedor de um produto para um estabelecimento. Isto proporciona efetivamente acesso global em questão de semanas; uma oportunidade que você não encontrará em outros lugares.

Qual é a sua mensagem final para os leitores do USA TODAY?

A beleza natural das Maldivas é humilhante e ilustra como o turismo pode estar em perfeita harmonia com o seu ambiente natural. Isto reflecte a cultura e o modo de vida do povo das Maldivas, o que faz parte de toda a experiência. Sou um grande fã das Maldivas e do povo maldivo. É um ótimo destino para casais e lua de mel, mas também para crianças, e é por isso que os hóspedes voltam aqui sempre. Há muito para ver, experimentar e explorar aqui.

Related Posts

Translate »
Scroll to Top